Ads


Doação de plaquetas ajuda pacientes oncológicos no Ceará

O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), da rede pública do Governo do Ceará, recebe diariamente voluntários que se candidatam para a doação de plaquetas por aférese, procedimento feito através de uma máquina onde é retirada apenas uma das células desejadas no sangue. As plaquetas doadas são fundamentais para o tratamento de pacientes oncológicos. O Hospital Infantil Albert Sabin (Hias), também do Governo do Ceará, é uma das unidades que mais recebe as doações realizadas no Hemoce.
Miguel Ricardo, de três anos, é assistido pelas duas unidades da rede pública. Diagnosticado com leucemia, a criança precisa constantemente receber plaquetas. O tratamento da criança é feito no Centro Pediátrico do Câncer (CPC) do Albert Sabin. A mãe de Miguel relata como foi difícil receber o diagnóstico. “Foi terrível, uma notícia que ninguém quer receber”, disse Elisandra Ricardo e Sousa Bezerra, que deixou o trabalho de marisqueira para cuidar do filho. O tratamento do Miguel no CPC começou logo após o diagnóstico, assim como as transfusões. “A quimioterapia afeta muito as plaquetas, então ele precisa muito das doações. Até o momento, ele já fez quatro ou cinco transfusões”, diz.
A doação de plaquetas por aférese é mais utilizada para auxiliar o tratamento de pacientes oncológicos que precisam repor o componente do sangue. “É um procedimento diferenciado da doação convencional (doação de sangue) porque a máquina permite a coleta de um número de plaquetas muitas vezes superior à doação de sangue total e isto a partir de um único doador”, explica Franklin Santos, diretor de hemoterapia do Hemoce.
O professor Acácio Neves é doador regular de plaquetas no Hemoce há dois anos. “Me tornei doador de plaquetas depois que doei sangue pela primeira vez. E fui convidado a doar por aférese porque cumpria todos os critérios. Ao descobrir que meu tipo sanguíneo é ‘O’ negativo, eu me senti mais ainda no dever de fazer minha parte”, fala. Apesar de doar frequentemente, Acácio confessa que não é fácil lidar com a aplicação da agulha. “Eu tenho um pouco de aflição, mas procuro me controlar e não olho na hora da furada. Nessa hora, eu lembro que a dor do paciente é mil vezes maior que a minha, então tento passar por cima de qualquer dificuldade para estar aqui doando”, finaliza.
As doações regulares no Hemoce atendem a demanda transfusional de pacientes em 450 unidades de saúde no Ceará. Nos hospitais com maior fluxo de necessidade transfusional, o hemocentro conta com as agências transfusionais para armazenarem as bolsas de sangue e plaquetas para transfusões imediatas. Só em 2018, a Agência Transfusional, que funciona no Albert Sabin, forneceu 2.545 bolsas de plaquetas para os pacientes, uma média superior a 212 bolsas mensais. Todas foram doadas por voluntários que vão às unidades do Hemoce. Até setembro de 2019, já foram utilizadas 2.041 bolsas de plaquetas, sendo a maioria delas usadas por crianças que lutam contra o câncer. “Eu mesma não sabia que era tão importante. As pessoas não sabem que elas salvam vidas realmente (ao doar sangue e plaquetas). Hoje eu entendo a importância e peço que continuem ajudando, doando. E agradeço também”, ressalta a mãe do paciente Miguel.
Doação
As doações de plaquetas por aférese podem ser realizadas na sede do Hemoce, em Fortaleza, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, e aos sábados, das 8h às 13h30. Os candidatos à doação de sangue com idade entre 16 e 17 anos devem possuir consentimento formal, por escrito, do seu responsável legal para cada doação que realizar. O banco de sangue disponibiliza em seu site o termo de consentimento para menores de 18 anos que deve ser apresentado para autorização da doação dos jovens nesta faixa etária.

Nenhum comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.