Ads


Os quatro principais fatores que disparam as dores de cabeça

que muitas pessoas não sabem é que para combater a cefaléia crônica ou dor de cabeça não adianta recorrer apenas aos remédios. Muitas vezes, pelo contrário, o abuso de medicação torna-se parte do problema. Da mesma forma, o desânimo e a depressão alimentam o suplício. Estas são algumas das conclusões de uma extensa revisão de 27 estudos publicada no periódico científico Neurology. A meta análise apresenta pelo menos quatro fatores que comprovadamente servem de combustível à dor de cabeça.
Além da depressão e ansiedade e do uso inadequado de medicamentos, a falta de sono e o stress estão entre os principais estímulos. Estes fatores não só pioram a frequência e a intensidade das crises como contribuem para uma queda acentuada da qualidade de vida.
Os investigadores ponderam, porém, que, embora tais fatores liderem o ranking, existem outros que também fazem as crises de mal estar acontecerem. Ao todo a comunidade médica estima que existam cerca de 150 variedades de dor de cabeça. As mais comuns são a enxaqueca e a tensional. Ambas as condições são consideradas crônicas quando se manifestam 15 ou mais dias do mês por pelo menos três meses.
“A tensional tende a ser mais leve e caracteriza-se por uma pressão na cabeça, enquanto a enxaqueca é mais forte, latejante e pode vir acompanhada de náuseas e formigamento no corpo”, explica o neurologista Manuel Jacobsen Teixeira, da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, em entrevista à revista Super Interessante. O tratamento vai depender do tipo e das particularidades de cada indivíduo, sendo que os analgésicos auxiliam a atenuar as crises, e outras medicações de uso contínuo podem ser usadas para prevenir o sofrimento.
1) Ansiedade e depressão
“Existem alguns mecanismos no cérebro que suprimem a dor e são afetados tanto na depressão quanto na ansiedade. Desse modo, estímulos que antes não eram dolorosos passam a ser”, esclarece o psiquiatra Fernando Fernandes, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.
De acordo com a investigação, pessoas ansiosas e deprimidas passam mais dias do mês com crises de enxaqueca, usam mais analgésicos e têm menor resposta a eles. Superar essas condições torna-se, portanto, um elemento essencial para combater a dor crônica.
2) Abuso de remédios
“O uso inadequado de analgésicos aumenta em 19 vezes o risco de uma dor esporádica se tornar crônica”, alerta Teixeira. O hábito de tomar algo mais de duas vezes por semana sem orientação pode contribuir para que o organismo ganhe tolerância a essas drogas.
“O abuso dos remédios chega a alterar o bom funcionamento do cérebro”, explica o especialista.
3) Stress diário
Praticamente tudo que está ligado ao comportamento e às emoções influencia o aparecimento da dor de cabeça quando há propensão para sofrer da condição. E, nesse ponto, a tensão sobressai.
De acordo com a meta-análise, dois dias seguidos de stress excessivo já contribuem para que a dor apareça. “Nessas situações de alteração do humor, há um impacto na libertação de substâncias que o cérebro usa para minimizar a dor”, aponta Teixeira.
4) Insônias
Bastam duas noites mal dormidas para catapultar o risco de um episódio de dor de cabeça. Outro aviso do estudo destaca não apenas a privação de sono, como também condições que atrapalham o poder reparador do repouso noturno. É o caso da apneia, marcada por roncos e interrupções temporárias na respiração, sendo que este problema é até duas vezes mais presente entre quem sofre de cefaleia.
Troca a noite pelo dia? Cuidado. Quanto menos horas na cama, mais intensa a tortura. Com base nas descobertas, os cientistas acreditam que dormir cerca de oito horas por noite, assim como tratar a apneia e insônias, afasta as manifestações dolorosas.

Nenhum comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.