Ads


Maconha medicinal é 30 vezes melhor que aspirina para reduzir dores

A maconha medicinal, ou cannabis, foi reconhecida como forma mais eficaz para reduzir a dor, segundo pesquisadores do Canadá.
Eles descobriram exatamente como a planta cannabis cria moléculas importantes para aliviar a dor e também que essas moléculas são 30 vezes mais poderosas na redução da inflamação do que a aspirina – remédio que reduz risco de ataque cardíaco e de AVCs mas aumenta o risco de hemorragia grave, no cérebro, no estômago e nos intestinos.
A descoberta sobre o benefício da cannabis foi feita por pesquisadores da Universidade de Guelph, em Ontário, no Canadá que cria um tratamento que pode aliviar de forma potente sem o risco de dependência de outros analgésicos.
“Há claramente uma necessidade de desenvolver alternativas para o alívio da dor aguda e crônica que vão além dos opióides”, disse o professor Tariq Akhtar, do Departamento de Biologia Molecular e Celular, que trabalhou no estudo com o professor da MCB, Steven Rothstein.
“Essas moléculas não são psicoativas e têm como alvo a inflamação na fonte, tornando-as analgésicos ideais”.
Usando uma combinação de bioquímica e genômica, os pesquisadores puderam determinar como a cannabis produz duas importantes moléculas chamadas canflavina A e cannflavina B.
Conhecidos como “flavonóides”, as canflavinas A e B foram identificadas pela primeira vez em 1985, quando as pesquisas verificaram que proporcionavam benefícios antiinflamatórios que eram quase 30 vezes mais eficazes do que o ácido acetilsalicílico vendido como Aspirina.
No entanto, investigações posteriores sobre as moléculas pararam por décadas, em parte porque a pesquisa sobre a cannabis foi altamente regulada.
Com a cannabis agora legal no Canadá e a pesquisa genômica bastante avançada, Akhtar e Rothstein decidiram analisar a cannabis para entender como a Cannabis sativa biossintetiza as cannflavinas.
“Nosso objetivo era entender melhor como essas moléculas são feitas, o que é um exercício relativamente simples nos dias de hoje”, disse Akhtar. “Existem muitos genomas sequenciados que estão disponíveis publicamente, incluindo o genoma da Cannabis sativa , que pode ser extraído para informação. Se você sabe o que está procurando, pode trazer genes para a vida, por assim dizer, e juntar como moléculas como as canflavas A e B são reunidas ”.
Com a informação genômica em mãos, eles aplicaram técnicas bioquímicas clássicas para verificar quais genes da cannabis eram necessários para criar as cannflavinas A e B. Seus resultados completos foram publicados recentemente na revista Phytochemistry.
Novos medicamentos
Essas descobertas oferecem a oportunidade de criar produtos naturais para a saúde que contêm essas moléculas.
“Ser capaz de oferecer uma nova opção de alívio da dor é emocionante, e estamos orgulhosos de que o nosso trabalho tem o potencial para se tornar uma nova ferramenta no arsenal de alívio da dor”, disse Rothstein.
Atualmente, os que sofrem de dor crônica geralmente precisam usar opióides, que funcionam bloqueando os receptores de dor do cérebro, mas acarretam o risco de efeitos colaterais e vícios significativos. As canflavinas teriam como alvo a dor com uma abordagem diferente, reduzindo a inflamação.
“O problema com essas moléculas é que elas estão presentes na cannabis em níveis tão baixos, não é possível tentar projetar a planta de cannabis para criar mais dessas substâncias”, disse Rothstein.
“Estamos trabalhando agora para desenvolver um sistema biológico para criar essas moléculas, o que nos daria a oportunidade de projetar grandes quantidades”.
Patente comercial
A equipe de pesquisa fez uma parceria com uma empresa com sede em Toronto, a Anahit International Corp., que licenciou uma patente da Universidade de Guelph para biossintetizar cannflavina A e B fora da planta de cannabis.
“Anahit espera trabalhar em estreita colaboração com pesquisadores da Universidade de Guelph para desenvolver medicamentos antiinflamatórios eficazes e seguros a partir de fitoquímicos de cannabis que forneceriam uma alternativa aos antiinflamatórios não esteróides”, disse o chefe de operações da Anahit, Darren Carrigan.
“A Anahit comercializará a aplicação da canflavina A e B para ser acessível aos consumidores por meio de uma variedade de produtos médicos e esportivos, como cremes, pílulas, bebidas esportivas, adesivos transdérmicos e outras opções inovadoras”.
Com informações do GNN/ e Universidade de Guelph

Nenhum comentário

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

Tecnologia do Blogger.